0 riscos & rabiscos
Um velho texto que eu publiquei...

Com uma forte dor de cabeça, ela abriu os olhos e viu que estava dentro de um quarto totalmente fechado, sem portas, nem janelas. Um quarto lacrado e iluminado por faixas feitas em tinta néon nas quatro paredes.
Colocou-se de pé e tateou as paredes, procurando alguma saída que não estivesse visível, mas em vão.
Tentando não entrar em pânico, ela sentou-se abraçada às suas pernas e procurou imaginar como tinha parado ali e, por mais que pensasse e imaginasse, não encontrava respostas. Não sabia sequer quem era.
Desanimada, ela olhou para cima e viu que o teto refletia a luz néon das paredes.
“Será um teto de vidro?”, pensou ela.
Pondo-se de pé, ela ergueu os braços, não para tocar o teto, mas para medir a altura da parede e viu que esta não era tão alta assim.
A garota tinha 1,80m e a parede devia ter por volta de 2,30m, de modo que, quando ela pulou, ela pôde tocar o teto e sentiu que ele era, de fato, de vidro. Por ser tão escuro, era um teto com insulfilm.
Andou em volta de si mesma, pensando por uns instantes e, então, começou a gritar, olhando para o vidro.
- EI! TIREM-ME DAQUI, TIREM-ME DAQUI!!!
Gritou por quase uma hora até que, exausta e com falta de ar, caiu desmaiada no chão.
Em seu sonho, ela se viu entrando em uma sala muito branca onde havia mais três jovens e um homem de terno, atrás de uma mesa.
Ela não conseguiu ouvir o que ele dizia aos jovens, não ouvia som algum, apenas via a cena. Pouco depois, quatro oficiais entraram na sala e acompanharam os adolescentes até um jardim. Dali, ela viu um oficial levando-a até uma escadaria que dava em uma caixa, suspensa no ar por seis colunas. A escada levava ao topo da caixa, onde o oficial apertou um botão e o lado de cima se abriu, dando passagem à garota, que entrou, caindo em pé dentro da caixa. Antes de fechar o teto de vidro, ela ouviu o primeiro som do sonho: ouviu o oficial dizer “Grite seu nome, Cassie, grite seu nome”. Minutos depois, já dentro da caixa, ela viu gases entrando por orifícios que se abriram no piso, fazendo-a desmaiar.
Assustada, ela acordou do sonho onde vira a si mesma sendo trancafiada na caixa e, lembrando-se do oficial, ela colocou-se de pé e, pulando, começou a gritar desesperadamente “CASSIE, SOU CASSIE!!! DEIXEM-ME SAIR, POR FAVOR!!!”, mas em vão.
Dormiu.
Horas depois ela acordou com um barulho e viu uma pequena parte do chão se mover para baixo, dando passagem à dois oficiais vestidos de branco que entraram, aplicaram-lhe uma injeção e a retiraram dali.
0 riscos & rabiscos

Time


.Sabe aquela vontade de correr para um lugarzinho só seu, um lugarzinho onde ninguém pode te aborrecer, interferir na sua vida? Onde você pode e deve ser quem você é sem se preocupar como isso vai afetar a vida dos outros?

.Agora eu entendo uma amiga que desejou que o dia tivesse 30horas.
- 30 horas!, eu pensei escandalizada. - Já é um horror ter que esperar quase 20horas para o dia terminar, imagine se ele tivesse 30 horas!, pensei morbidamente.
Pois é...

Eu queria que o dia tivesse 30 horas! xD
3 horas para poder estudar e outras 3 para aproveitar melhor o sono hehehehe ^^



Agora, falando de coisa melhorzinha... Achei um link para download do 3dmax portatil ^^ Uma mão na roda :P
E descobri um site que vende umas coisas bem legais - só que tudo nos EUA, ou seja, a taxa de importação é bem basiquinha (ou melhor, carinha).
Geek Think - Website

Que contradição. Quanta melancolia em meio a tanta alegria.
:) :| :)

Bom é isso aí.
Ah! Estou fazendo uma pesquisa sobre Chiquinha Gonzaga (lembram-se? "Ô Abre Alas, que eu quero passar... Ô abre alas, que eu quero passar... Rosa de Ouro é quem vai ganhar!") - Ela é bem mais que Abre Alas, essa mulher é simplesmente fantástica! Uma das mulheres a romper com padrões e preconceitos sociais contra a mulher, e a primeira mulher a reger uma orquestra do Brasil e uma das primeiras do mundo (se não a primeira, preciso conferir isso). Bem, ela é fantástica. Em outro post, postarei mais sobre ela.
xD

Bom, é isso aí.

Até mais, velhinhos.
0 riscos & rabiscos

Changin'


E você quer mudar e não pode. E quer saber tudo, fazer tudo... Quer poder resolver todos os seus próprios problemas e os dos outros...Mas, novamente, não pode.

E aí você percebe que já/ainda tem 20 anos e que provavelmente tem uma estrada inteira de vida pela frente.
Que ainda tem muito a aprender E muito a ensinar...
Muito a ouvir, a ver. Mas também muito a falar, a mostrar, E a experimentar.

Mas sente que poderia ter feito mais, que poderia ter feito tudo melhor e ter ajudado e acompanhado todos aqueles lhe são caros.

E aí se dá conta de que gastou muito tempo olhando para frente e para trás e que poderia ter olhado para o presente e não ter perdido alguns lances, relances e oportunidades maravihosas.

Então, os "e aí" acabam e você simplesmente... vive. Vive da melhor maneira possível.
Para ter sua vida, seu futuro e garantir todo o resto que sonhar.

Vive.
0 riscos & rabiscos

Srta. Caixinha de Pandora, muito prazer!

Senhorita Caixinha de Pandora, muito prazer!
Bem, o que precisarem saber sobre mim, podem ver no perfil.
Precisava de um lugar pra expor pensamentos, observações, conclusões e pequenas histórias que escrevo.
No entanto, vou deixar guardado um pedacinho de texto que foi importante pra mim, dentre outros. Espero que gostem, tanto quanto eu gostei.


“Sabem como fiquei louco? Há muito tempo, muito antes de terem nascido os deuses, despertei de um sono profundo e notei que todas as minhas máscaras tinham sido roubadas. As sete máscaras que tinha fabricado meticulosamente tinham desaparecido.
Sem nenhuma máscara, saí a correr para a rua a gritar:
- Ladrões! Malditos ladrões!
Todos se riram de mim, mas alguns fugiram e fecharam-se em casa com medo. Quando cheguei à praça principal uma criança, que estava sobre o telhado de uma casa gritou: “Olhem, é um louco!”.
Voltei a cabeça para a ver e o sol encontrou pela primeira vez o meu rosto nu. O sol iluminou ao mesmo tempo o meu rosto e a minha alma. A partir desse dia nunca mais usei máscara, e agradeço todos os dias aos ladrões que me a roubaram.
Agora que já sabem como me tornei louco posso confessar-lhes que encontrei muita liberdade e segurança na minha loucura. A liberdade da solidão e a segurança de nunca ser compreendido (aqueles que nos compreendem fazem de nós escravos). No entanto, sei que não posso orgulhar-me demasiado da minha segurança, pois nem o ladrão encarcerado está livre de encontrar outro ladrão.” (
Khalil Gibran, em O Louco.)
 
;